anjinhos

sexta-feira, 3 de março de 2017

'OS SETE VÉUS QUE ENVOLVEM O HOMEM' - ('O Livro de Mirdad').


 Com sete véus havia Mirdad velado o rosto para que pudesse ensinar a vós e ao mundo quando estivésseis maduros para aprender como remover os selos dos lábios e os véus dos olhos, revelando-vos a vós mesmos, na plenitude da glória que é vossa"... ('O Livro de Mirdad') - Os capítulos iniciais, na forma de história, são provas de caráter iniciático pelas quais deve antes passar quem anseia tornar-se mensageiro da Luz... Já, o 'Livro', são ensinos que marcaram profundamente meu coração e a Alma nesse Caminho!  (Campos de Raphael).
SAUDAÇÃO NAMASTÊ 
'O SER DIVINO EM MIM SAÚDA A DIVINDADE EM VOCÊ!'


(*) As características de seu Anjo Guardião podem revelar as potencialidades e lições de vida que, antes de nascer, você escolheu experienciar ao lado daqueles que lhe estão ligados por laços kármicos de vidas passadas. Problemas e crises são sempre oportunidades de expandir a compreensão e a consciência...  Ao conseguir se aprofundar cada vez mais em seu mundo interior, você atingirá um estado no qual será possível se comunicar com seu espírito guardião e os espíritos guias que estão no seu coração". ['A Essência de Buda'. Ryuho Okawa]. (Campos de Raphael).
Você aniversaria hoje? Click nos Anjinhos!

 Anjos da Guarda: Click e veja o que o seu revela!



"Anjos do Dia"  Anjo Guardião deste Dia: NEMAMIAH’. Categoria 'ARCANJOS'(*). 'Nemamiah', protege quem nasce hoje, 03/Março, 15/Maio, 27/Julho, 08/Out., e 20/Dez. Carta do Tarot: A Roda da Fortuna. Número de sorte: 10. Mês de mudança: Outubro. Planeta: Marte. Hora: 18:40 às 19:040 da tarde. Salmo: 113. Este anjo ajuda a todos que trabalham por uma causa justa, a prosperar em todas as áreas e a libertar as pessoas viciadas, encaminhando-as para uma vida saudável. Favorece as pessoas que trabalham em cidades litorâneas e a todos que exercem funções ligadas à área de lazer nestas localidades... Características pessoaisQuem nasce sob esta proteção amará ser colocado em posição de liderança, se distinguirá por sua bravura e grande amor por todas as coisas, suportando a fadiga com paciência e coragem. Trabalha para melhorar a sociedade e tende a abolir os privilégios e recursos de pessoas que não merecem. Terá sorte nas viagens ao exterior e proteção contra traição ou vingança. Será um combatente contra as forças do mal, através da sua cultura e intelectualidade. Projeta sempre experiências para a formação de um novo mundo, lutando contra as esferas e consciências inferiores. O conhecimento do seu anjo guardião é o tema central para a sua existência ficar cada vez melhor na Terra. Terá grandes revelações nos sonhos. Defenderá todas as boas causas e será chamado sempre para edificar planos teóricos, sendo considerado por todos um ótimo administrador ou economista, principalmente em tempos de crise. Alegre, ativo e simpático, é sempre o centro das atenções em todas as situações. É uma pessoa de garra e muita força de vontade. Apaixonado por tudo e por todos, ama a vida familiar e dedica-se especialmente aos filhos... ('Anjos Cabalísticos', p. 140/141. Monica Buonfiglio].

(*) “ARCANJOS”: São nove categorias angelicais, cada qual com nove anjos, ou seja, oito anjos regidos por um nono de categoria superior, um Príncipe-Arcanjo... No caso de 'Arcanjos', seu Príncipe-Arcanjo é Mikael (Miguel). Esta categoria angelical “é responsável pela transmissão de mensagens importantes. Assegura os bons relacionamentos, a sabedoria e os estudos. São ágeis, rápidos e querem ver todos felizes nesta existência...  Saiba mais: ‘Anjo da Guarda de seu Nascimento’. Monica Buonfiglio.

Mirdad Revela-se e Fala de Véus e Selos - ('O Livro de Mirdad').
Naronda - Escriba da Arca: Ao anoitecer daquele dia, eis que estavam os Oito [monges da Arca] reunidos à volta da mesa da ceia, e Mirdad achava-se afastado de pé, aguardando silenciosamente ordens.

Era uma das antigas regras entre os Companheiros que fosse evitado, sempre que possível, o uso da palavra eu em seu falar. O Companheiro Shamadam [Abade da Arca], estava vangloriando-se de suas realizações como Superior. Citou vários dados para mostrar o quanto contribuía para a riqueza e o prestígio da Arca e, assim fazendo, usou em demasia da palavra proibida. 

Delicadamente o Companheiro Micayon o repreendeu, e logo se levantou entre eles uma acalorada discussão quanto às finalidades da regra e sobre quem a instaurara, se o pai Noé ou o Primeiro Companheiro, ou seja, Sem.

O calor da discussão gerou as censuras, e as censuras levaram a uma confusão tal que muito se dizia e nada se podia entender. Desejando transformar a confusão em zombaria, Shamadam, dirigindo-se a Mirdad, disse, com evidente ironia:
Eis que temos aqui alguém que é maior do que o patriarca. Mirdad, mostra-nos o que devemos fazer para sair deste labirinto de palavras... 

Os olhares de todos se voltaram para Mirdad, e foram grandes nosso assombro e nosso júbilo quando, pela primeira vez, após sete anos [de silêncio], ele descerrou os lábios e disse:

Mirdad: Companheiros da Arca! O desejo de Shamadam, conquanto expresso por ironia, prenuncia inconscientemente a solene decisão de Mirdad, pois, desde o dia em que entrou nesta Arca, Mirdad havia escolhido esta data e este local – exatamente nesta circunstância – para romper seus selos e remover seus véus, revelando-se diante de vós e do mundo.

Com sete selos havia Mirdad selado os lábios. Com sete véus havia Mirdad velado o rosto para que pudesse ensinar a vós e ao mundo quando estivésseis maduros para aprender como remover os selos dos lábios e os véus dos olhos, revelando-vos a vós mesmos, na plenitude da glória que é vossa.

Velados estão vossos olhos com grande número de véus. Cada coisa sobre a qual lançais o olhar é um véu. Selados estão vossos lábios com grande número de selos. Cada palavra que pronunciais é um selo. As coisas, sejam quais forem suas formas e espécies, são somente véus e faixas com que a Vida está envolvida e velada.

Como poderão vossos olhos, que são em si mesmos um véu e uma faixa, conduzir-vos a algo que não sejam véus e faixas? E as palavras – não são elas coisas seladas por letras e sílabas? Como poderá vosso lábio, que é em si mesmo um selo, pronunciar algo que não sejam selos? 
O olho pode velar, porém não pode penetrar os véus. O lábio pode selar, porém não pode romper os selos. Não lhes peçais nada além do que eles podem dar. Essa é a parte que lhes cabe na atividade do corpo, e eles a desempenham muito bem... 

Ao estender véus e ao apor selos, eles vos clamam para que busqueis o que está por trás dos véus e perscruteis o que está por baixo dos selos. Para penetrar os véus, necessitais de um outro olho que não o dotado de pestanas, pálpebras e sobrancelhas.

Para romper os selos, necessitais de outro lábio que não o familiar pedaço de carne que tendes por baixo do nariz. Vede em primeiro lugar corretamente os vossos próprios olhos, se quiserdes ver corretamente as outras coisas. Não com o olho, mas através dele deveis dirigir vosso olhar, de modo que possais ver todas as coisas que estão além dele.

Primeiro os lábios e a língua falem corretamente, se quiserdes falar corretamente as outras palavras. Não com o lábio e a língua, mas através deles deveis falar, de modo que possais espargir todas as palavras que estão além deles.

A menos que vejais e faleis corretamente, nada mais vereis senão a vós mesmos e nada mais pronunciareis senão a vós mesmos, porque em todas as coisas e além de todas as coisas, em todas as palavras e além de todas as palavras, estais vós – o que vê e o que fala...
Se, pois, vosso mundo é um enigma indecifrável, é porque vós mesmos sois enigmas indecifráveis. Se vosso falar é uma confusão deplorável, é porque vós sois essa confusão deplorável...

Deixai as coisas como elas são e não vos esforceis para modificá-las, porque elas parecem ser o que parecem devido a parecerdes ser o que pareceis. Elas não vêem nem falam se vós não lhes emprestardes vista e fala. Se elas vos falam asperamente, atentai unicamente para vossa língua. Se vos parecem feias, examinai em primeiro e último lugar o vosso olho.

Não peçais às coisas que deixem cair seus véus. Desvelai a vós mesmos, e as coisas vos serão desveladas. Não peçais às coisas que rompam seus selos. Rompei os selos de vosso próprio ser, e todas as coisas perderão os seus.

A chave para remover os véus de si mesmo e romper os próprios selos é uma palavra que deveis guardar eternamente em vossos lábios. É a menor e a maior de todas as palavras. Mirdad denominou-a de a Palavra Criadora (*).
Naronda: O Mestre calou-se, e profundo silêncio, no qual vibrava intensa expectativa, desceu sobre todos. Finalmente Micayon falou com apaixonada impaciência.

Micayon: Nossos ouvidos estão ansiosos pela Palavra Criadora (**). Nossos corações anseiam pela chave. Continua, Mirdad, continua...
(*) Word, em inglês, significa palavra e ao mesmo tempo encerra etimologicamente o significado de verbo. (N.T.).

Resultado de imagem para o livro de mirdad - mikhail naimyVocê pode ver a continuação das palavras de Mirdad, acessando esta Fonte: 'O Livro de Mirdad', cap. 1. Título original:  'The Book of Mirdad - A Lighthouse and  a Heaven'. 1954. http://www.pentagrama.org.br/livros/livro-mirdad.pdf]. 


(**) Parece que as pessoas desconhecem o poder criador das palavras. Vivemos, e nos movemos, e existimos", em um oceano cósmico de energias. Cada palavra evoca certa energia na frequência vibracional no campo eletromagnético da aura e no campo planetário a nosso redor. Evite, pois, conscientemente palavrões e frases negativas e use sempre palavras positivas. Elas liberarão energias benéficas em sua aura e no campo cósmico que as retornarão para nós... (Campos de Raphael).

Comentário de Campos de Raphael 
‘O Livro de Mirdad’ nos chegou às mãos em 1965, ainda em rascunhos, para ser publicado no Brasil pela primeira vez. Eu já vivenciara inesperada regressão ao passado espiritual do ser interior, ao adentrar as ruínas das antigas muralhas do lendário Castelo do Graal no Sul da França em 1963. O fato ocorreu logo após participar da I Conferência de Aquarius daquele mesmo ano, na Holanda.

‘O Livro’, é uma obra inspirada pela Fraternidade da Luz, que evoca a reminiscência espiritual de nossas Almas... Os capítulos iniciais conta a história do 'Livro' e descrevem provas de caráter iniciático, que devem preparar todo mensageiro da Luz. Os demais capítulos contém verdades universais, como as escrituras sagradas de todos os povos. Deve ser lido ao longo de nossas vidas, pois a cada leitura outros níveis da eterna Verdade podem revelar-se a nós.
Em 1965, dois anos mais tarde da vivência no Castelo do Graal, acordei certa madrugada com a percepção viva dos inúmeros obreiros da Fraternidade que, em variadas áreas de atividade, trabalham em prol do despertar da humanidade para libertá-la de seu aprisionamento inconsciente à Caverna de Platão.

Apesar de cônscio da limitação e cegueira humanas, despertou em minha Alma o sincero anseio de também participar dessa Grande Obra. E a resposta da Sincronicidade veio inesperada antes mesmo do café da manhã. Dieno Castanho, professor de inglês, revisor de livros e nosso companheiro de discipulado no Lectorium Rosicrucianum na capital de São Paulo, (hoje Escola da Rosacruz Áurea), procurou-me. Pedia a ajuda de algum aluno para a revisão da tradução de ‘O Livro de Mirdad’, publicado na Europa e o seria então no Brasil.

Eu desconhecia ainda ‘O Livro’, e pedi para ver um de seus rascunhos, onde li: “O Amor é a Lei de Deus. Viveis para que aprendais a amar. Amais para que aprendais a viver. Nenhuma outra lição é exigida do Homem”... De imediato lágrimas de gratidão ascenderam do coração aos meus olhos; era a resposta sincronística à prece daquela madrugada... Aprendi todos os sinais tipográficos usados nas editoras e 'O Livro de Mirdad' tornou-se meu primeiro trabalho como revisor e dali em diante fui encarregado pela Escola de editar seus livros...
Dois anos depois (1967), tive o privilégio de entregar nas mãos de Jan van Rijckenborgh, a primeira edição do ‘Dei Gloria Intacta’ – A Glória de Deus é Inatacável,  quando ele veio ao Brasil realizar a V Conferência de Aquarius. Ela foi a única Conferência Templária realizada por ele no Brasil e também seu ‘canto de cisne’, como ocorreu a Wagner após o 'Parsifal',.. Em 1968, o Grão-Mestre da Escola Espiritual deixou a veste física, após ter cumprido sua difícil missão neste mundo, em prol da libertação da consciência da humanidade...

Em 1982 uma série de acontecimentos sincronísticos afastou-nos do aspecto exterior organizatório do Lectorium. E outrq porta da Escola Espiritual abriu-se através de Carl Jung em ‘O Segredo da Flor de Ouro’. Os estudos da psicologia junguiana possibiitou-nos maior compreensão sobre os eventos sincronísticos constelados pelo nosso ser interior imortal ('Self'). Eles criam oportunidades de ampliar a consciência para  a continuidade de nosso Caminho...
Depois veio a inesperada comunicação direta de meu Anjo da Guarda ’Veuliah’, através de sonhos, sinais e intuições. E aos 72 anos da idade física, em 17.02.2001, além dos sinais, senti-me impelido interiormente a realizar um trabalho na Internet, visando despertar e orientar as pessoas a respeito da sua missão e cumprimento do karma” - atribuição da categoria angelical de Raphael e de ‘Veuliah’ que, além de meu Guardião,  é também um dos Anjos de Cura...

Todos esses eventos vivenciados ao longo dessa caminhada, deu-me a certeza interior de que os acontecimentos significativos em nossas vidas, jamais ocorrem ao Acaso. Eles são constelados pelo nosso próprio ser interior imortal - ('Self', segundo Jung) -, para elevação da Consciência Cósmica da Alma. E comprovam estas palavras: Nada acontece por Acaso” ... (Campos de Raphael).


Você poderá gostar também:
(Dr. Fritz-Albert Popp - Biofísico).


Nenhum comentário:

Postar um comentário